A Botânica Forense e a Ciência Farmacêutica no Auxílio à Resolução de Crimes

Morgana Alves Damas, Jeniffer Azevedo Jamar, Antony de Paula Barbosa, Aline Castellar

Resumo


O profissional farmacêutico generalista possui uma formação voltada para o âmbito humanista, crítico e reflexivo, tendo como atribuições essenciais a prevenção, promoção, proteção e a recuperação da saúde humana. Dentro deste contexto, desenvolve atividades associadas ao fármaco e ao medicamento, às análises clínicas e toxicológicas e aos alimentos. O currículo deste profissional encontra-se em constante transformação de forma a atender a realidade em benefício da saúde e abrange as áreas da química, biologia e física. Dentro da área biológica destaca-se a Botânica, que através do seu conhecimento técnico-científico, garante a capacidade destes profissionais atuarem em vários campos, entre eles a Criminalística, como perito criminal, fazendo parte de uma equipe multidisciplinar. Nesse contexto, é possível citar a Botânica Forense como o ramo da Biologia Forense no qual as estruturas vegetais encontradas na cena de um crime tornam-se de grande importância nas investigações criminais. Embora a eficiência dos métodos de análise da Botânica Forense já tenha sido reconhecida, esta continua sendo uma área de atuação limitada devido à existência de poucos profissionais qualificados. Elaborado a partir de levantamento bibliográfico, este artigo visa mostrar a importância dos conhecimentos de botânica adquiridos na graduação do profissional farmacêutico, bem como discutir sobre as subespecialidades da Botânica Forense e de que forma elas corroboram nos processos de investigações criminais.


Palavras-chave


Ciência Forense; Botânica Forense; Criminalística; Perito Criminal; Farmacêutico Generalista

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia, resolução número 2. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Seção 1, p. 9, 2002. Retirado em 20/09/2014, de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES022002.pdf

World Health Organization. The role of the pharmacist in the health care system. Preparing the future pharmacist: curricular development. Report of a third WHO Consultative Group on the Role of the Pharmacist, 1997. Retirado em 12/10/2014, de http://apps.who.int/medicinedocs/pdf/s2214e/s2214e.pdf.

N.J. Georg, L. Kelner, J.B.S. Júnior. Armas de Fogo: Aspectos Técnicos Periciais. Rev. Jurídica 15(30), 137-156, 2011.

V.P. Stumvoll, V. Quintela. Tratado de perícias criminalísticas: Criminalística. Sagra-DC Luzatto, Brasil, 1995.

H.M. Coyle. Forensic Botany: Principles and applications to criminal casework. CRC Press, United States of America, 1-303, 2005.

F. Oliveira, G. Akissue. Fundamentos de Farmacobotânica e de Morfologia Vegetal. Atheneu, Brasil, 2009.

R. Chandra, V. Sharma. Forensic Botany: An Emerging Discipline of Plant Sciences. Indian Botanists Blog-o-Journal, 2014. Retirado em 13/02/2015, de http://www.indianbotanists.com/2014/03/forensic-botany-emerging-discipline-of.html.

H.M. Coyle, C. Ladd, T. Palmbach, H.C. Lee. The Green Revolution: Botanical Contributions to Forensics and Drug Enforcement. Croat Med J. 42(3), 340-343 2001.

S. M. Carmello-Guerreiro, B. Appezzato-da-Glória. Anatomia Vegetal. UFV, Brasil, 2006.

W.C. Dickison. Integrative Plant Anatomy. Harcourt Academic Press, United States of America, 2000.

M. Horrocks, S.A. Coulson, K.A.J. Walsh. Forensic palynology: variation in the pollen content of soil on shoes and in shoeprints in soil. J. Forensic Sci. 44(1), 119-122, 1999.

K. Verma. Role of Diatoms in the World of Forensic Science. J. Forensic Res. 4, 181, 2013.

L. Donadel et al. Revisão sobre o diagnóstico de afogamento com o uso do plâncton: Teste de diatomáceas e de PCR. Rev. Bras. Crimin. 3(2), 17-23, 2014.

L. Taiz, E. Zeiger. Fisiologia vegetal. Artmed, Brasil, 2004.

L.G.P.S. Ricardo. Estudos etnobotânicos e prospecção fitoquímica das plantas medicinais utilizadas na comunidade do Horto, Juazeiro do Norte (CE). Dissertação de Mestrado, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, 2011.

E.A. Carlini, A.A.B. Silva, A.R. Noto, A.M. Fonseca, C.M. Carlini, L.G. Oliveira, S.A. Nappo, Y.G. Moura, Z. van der M. Sanchez. II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país: 2005, 2006. Retirado em 13/06/2015, de http://200.144.91.102/sitenovo/conteudo.aspx?cd=644.

P.G. Raymundo, P.R.K. Souza. Cannabis sativa L.: os prós e contras do uso terapêutico de uma droga de abuso. Rev. Bras. Ciências Saúde 13, 23-30, 2007.

K.M. Honório. Aspectos Terapêuticos de Compostos da Planta Cannabis sativa L. Quim. Nova 29(2), 318-325, 2006.

R.M. Vargas. A criminalística do século XXI e análise de drogas e inteligência. Monografia de pós-graduação, Departamento de Gestão de Políticas de Segurança Pública, Academia Nacional de Polícia, 2012.

Goodman & Gilman. As Bases Farmacológicas da Terapêutica. McGrallHill, United States of America, 2005.

Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Lista de Medicamentos Proibidos. Retirado em 26/06/2015, de http://www.anvisa.gov.br/servicos/form/paf/lista_med_proibidos.pdf.

Brasil. Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Retirado em 15/06/2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm.

F.A. Pamplona. Quais são e pra que servem os medicamentos à base de Cannabis? Rev. Biologia 13, 28-35, 2014.

D. Rouen, K. Dolen, J. Kimber. A Review of Drug Detection Testing and an Examination of Urine, Hair, Saliva and Sweat. Technical Report No. 120, National Drug and Alcohol Research Centre. University of New South Wales, Australia, 2001.

L. Mota, P.B. Di Vitta. Química forense: utilizando métodos analíticos em favor do poder judiciário. Rev. Acad. Oswaldo Cruz 1, 2014.

A.R. Fukushima. Perfil da cocaína comercializada como crack na região metropolitana de São Paulo em período de vinte meses (2008-2009). Dissertação de Mestrado, Departamento de Ciências Farmacêuticas, da Universidade de São Paulo, 2010.

F.P.P.C.P. Almeida. Determinação de Tramadol e Amitriptilina em Saliva por LC-MS, Sua Aplicação em Amostras de Condutores no Âmbito de um Projecto de Investigação Europeu. Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau de Mestre em Medicina Legal e Ciências Forenses, da Universidade de Coimbra, 2009.

P.A. Siver, W.D. Lord, D.J. McCarthy. Forensic limnology: the use of freshwater algal community ecology to link suspects to an aquatic crime scene in southern. J. Forensic Sci. 39(3), 847-53, 1994.

H.M. Coyle, C.L. Lee, W.Y. Lin, H.C. Lee, T.M. Palmbach. Forensic Botany: Using Plant Evidence to aid in Forensic Death Investigation. Croat. Med. J. 46(4), 606-612, 2005.

F.M.L. Assis, G.S. Oliveira, I.F. Silva, J.R.N. Santos, L.G. Martins, V. Belomo. Caso Mércia Nakashima - Rje, Revista Jurídica Eletrônica, 2, 2011. Retirado em 19/02/2015, de http://www.direitoceunsp.info/revistajuridica/ed5/rje/5a_edicao/artigos_alunos/caso_mercia_nakashima.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v5i1.112

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.