Espectroscopia Raman: um novo método analítico para investigação forense em cruzamento de traços

Juliano de Andrade Gomes, Maurício da Silva Sercheli

Resumo


Em Documentoscopia, o exame de tinta in-situ, sobre a superfície de um determinado suporte, é um desafio para a ciência forense. Hoje em dia, a Cromatografia Gasosa acoplada ao Espectrômetro de Massa (GC-MS) e a Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (HPLC) são as principais técnicas utilizadas para tal análise. No entanto, tais técnicas são destrutivas e de difícil operacionalidade, pois exigem complicados procedimentos de extração para isolar os componentes da tinta antes da realização dos exames. Nesse contexto, a Espectroscopia Raman tem se mostrado uma técnica promissora e bastante adequada, já que oferece, de modo não destrutivo, a direta identificação e caracterização das tintas encontradas na própria superfície do papel. Assim sendo, este trabalho utiliza-se da Espectroscopia Raman, inicialmente, para identificar e diferenciar tintas de caneta, sendo que uma atenção especial foi dada às tintas de tonalidade preta, as quais são difíceis de serem distinguidas pelas técnicas atuais. Posteriormente, foram selecionados e analisados alguns cruzamentos entre as tintas que apresentaram espectros distintos, ou seja, aquelas tintas que possuem diferentes composições químicas, com o objetivo de identificar a sequência cronológica dos lançamentos. O método baseia-se num tratamento matemático simples dos espectros Raman, obtidos em diferentes profundidades na região do cruzamento. Salienta-se a obtenção de sucesso na utilização desse procedimento, bem como de outro processo empregado para o mesmo propósito: o mapeamento bidimensional na superfície da região de intersecção entre as tintas, seguido da análise estatística de correlação com os espectros coletados individualmente nas tintas envolvidas no cruzamento.

Palavras-chave


Espectroscopia Raman; Tintas de caneta; Cruzamento de traços

Texto completo:

PDF

Referências


Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941. Código de Processo Penal, Artigos 170 e 181, Brasil (2009).

[1] J. Del Picchia Filho; C.M.R. Del Picchia and A.M.G. Del Picchia. Tratado de Documentoscopia: da falsidade documental. 2ª edição, Editora Pillares (2006) 400-401.

J. Zieba-Palus; M. Kunicki. Application of the micro-FTIR spectroscopy, Raman spectroscopy and XRF method examination of inks. Forensic Sci Int, 158: 164-172 (2006). [CrossRef] http://dx.doi.org/10.1016/j.forsciint.2005.04.044

F.A. Morsy; S.I. El-sherbiny; M. Awadalla. A systematic approach to Egyptian ballpoint ink analysis for forensic science application. Forensic Sci Int, 4: 1-13 (2005).

Niamh Nic Daéid. 15th International Forensic Science Symposium. Review Papers. Interpol. Lyon, 2007.

Brasil. Código de Processo Penal, Artigos 170 e 181, Decreto-Lei nº 3.689. (2009).

M. Claybourn; M. Ansell; using Raman Spectroscopy to solve crime: inks, questioned documents and fraud. Sci Justice, 40: 261-271 (2000). [CrossRef] http://dx.doi.org/10.1016/S1355-0306(00)71996-4




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v1i1.13

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.