As principais linhas da biologia forense e como auxiliam na resolução de crimes

Anderson Eduardo dos Santos

Resumo


Nos últimos anos a biologia tornou-se um elemento poderoso na investigação criminal. Há várias áreas que são utilizadas na investigação forense como a Genética, Entomologia, Botânica, Toxicologia, entre outras. O objetivo básico do presente trabalho foi descrever as principais áreas e técnicas da biologia utilizadas para fins forenses, bem como um breve histórico de cada área. Para isso, recorreu-se a uma revisão de literatura dos vários trabalhos em que essas áreas e técnicas são descritas detalhadamente. Observou-se que as técnicas estão sendo aprimoradas continuamente e que no meio da investigação forense está em grande ascendência tanto para fins de investigação como pela justiça. Isso demonstra a importância e justifica os trabalhos que contribuem para aprimorar o desenvolvimento e difusão do conhecimento acerca das ciências forenses.


Palavras-chave


Perícia; Criminalística; Biologia forense; Perito criminal.

Texto completo:

PDF

Referências


B.A. Fisher, J .Techniques Of crime scene investigation. (7). Flórida:CRC, 2004.

A. Koch, F.A. Andrade. A utilização de técnicas de biologia molecular na genética forense: uma revisão; RBAC, 40 (1), 17-23, 2008.

E.R. Paradela, A.L.S. Figueiredo, A.L.S. Smarra. A identificação humana por DNA: aplicações e limites. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, 30. Âmbito Jurídico, 2006.

E. Paradela, Ribeiro. Genética Forense: Coleta, documentação e transferência de evidências biológicas destinadas a testes forenses de DNA. DireitoNet. 2006.

M. Mug. Insetos Investigadores. Ciência Criminal. São Paulo: segmento. Entomologia Forense, 5, 40-43, 2007.

S.R. Alves. Toxicologia forense e saúde pública: Desenvolvimento e avaliação de um sistema de informações como potencial ferramenta para a vigilância e monitoramento de agravos decorrentes da utilização de substâncias químicas. Escola Nacional de Saúde Pública – FIOCRUZ. 132p. 2005.

F. Leite, et al. DNA Forense: Exames de DNA Humano. Criminalística – procedimentos e metodologias. 1, 242-243, 2005.

F.A.M. Duarte. Conselho Nacionalde Pesquisa, Comitê sobre A Avaliação do DNA como Prova Forense. Funpec RP, 2001.

L.A. Ferreira; N.S. Passos. DNA Forense - Coleta de Amostras Biológicas em Locais de Crimes para Estudo do DNA. Maceió: UFAL, 84p. 2006.

L.C. Dolinsky, L.M.C.V. Pereira. DNA forense: Artigo de Revisão. Revista: Saúde e Ambiente em revista, 2(2), 11-22, 2007.

C.C. Bezerra. Exame de DNA: Técnicas de coleta em locais de crimes. Revista Perícia Federal, 18, 7-14, 2004.

M. Benecke, E. Josephi, R. Zweihoff. Neglect of the elderly: forensic entomology cases and considerations. Forensic Science International 146, 195-199, 2004.

O. Freire. Algumas notas para o estudo da fauna cadavérica da Bahia. Gazeta Médica da Bahia 46, 110-125, 1914.

O. Freire. Algumas notas para o estudo da fauna cadavérica da Bahia. Gazeta Médica da Bahia 46, 149-162, 1914,

B. Keh. Scope and applications of forensic entomology. Annual Review of Entomology 30, 137-154, 1985.

J. Pujol-Luz, P. Francez; A. Ururahy-Rodrigues, R. Constantino. The black-soldier fly, Hermetia illucens (Diptera, Stratiomyidae), used to estimate the postmortem interval in a case in Amapá State, Brazil. Journal of Forensic Sciences 53, 476-478, 2008.

W.D. Lord, J. R. Stevenson. Directory of forensic entomologists. 2 ed. Misc. Publ. Armed Forces Pest Mgt. Board, Washington, D.C, 42 p., 1986.

L.M. Carvalho, Toxicologia e a Entomologia Forense. Entomologia Forense. 2 ed. v. 2. 2005.

H.M. Coyle, C.L. Lee, W.Y. Lin, H.C. Lee, T.M. Palmbach. Forensic Botany: Using Plant Evidence to aid in Forensic Death Investigation. Croat Med J, 46(4), 606- 612, 2005.

J. Nunes, T. Campolina. A Importância Da Botânica Forense Na Resolução De Crimes. Disponível em: http://www.botanica.org.br/trabalhos-cientificos/64CNBot/resumo-ins18280-id3985.pdf. Acesso em: 08 de Dezembro de 2016.

C.D. Klaassen, M.O. Amdur, J. Doull, (ed) Casarett and Doull's Toxicology: the basic science of poisons. 5. ed. New York: McGraw-Hill, 1111 p, 1996.

S.L. Araújo. Introdução à toxicologia. In: CURSO DE VERÃO EM FARMACOLOGIA, III. Paraná, fev. 2011. Anais eletrônicos. Disponível em: http://insightltda.com.br/images/dinamica/pdf_7fe1310c8e894324299fcfd3b8f760ef. Acesso em: 28.Ago. 2016.

S. Branch. Forensic and Clinical Toxicology. In: HODGSON, E. A textbook of modern toxicology. 3 ed. Cap. 22. 557p, 2004.

R. Rangel. Toxicologia forense. In: Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Noções gerais sobre outras ciências forenses. Porto: Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, 2004. Disponível em: http://medicina.med.up.pt/

F.C.C. Souza. Cadeia de Custódia de evidências: Influência no laudo pericial e processo judicial. Programa de Pós-graduação em Biociências Forenses – PUCGoiás. 2010.

N.C. Karine, A.P.C. Rafael; O.F. Yoko. A Contribuição Da Toxicologia Analítica Na Aplicação Da Toxicologia Forense: Exemplos Da Cocaína E Do Álcool Etílico. Revista de Estudos Universitários. 36(2), 2009

C.C. Gontijo, A.C. Silva. Acreditação, validação e verificação em práticas forenses. Centro Universitário de Brasília2010. Acesso em: 12 ago. 2016.

M. Lopes, M.M. Gabriel, G.M.S. Bareta. Cadeia de Custódia: uma abordagem preliminar. Visão acadêmica. 7(1), 2006. Disponível em http://revistas.ufpr.br/academica/article/viewArticle/9022. Acesso em: 22.Nov.2016.

Cunha et al. Prevalência da exposição pré-natal à cocaína em uma amostra de recém-nascidos de um hospital geral universitário. 77(5), 2001. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/%0D/jped/v77n5/v77n5a06.pdf Acesso em: 28 out. 2016.

M.S. Gama, J.C. Afonso, De Svante Arrhenius ao peagâmetro digital: 100 anos de medida de acidez. v. 30. n. 1. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-. Acesso em: 22.Nov.2016.

R.P. Limberger, et al. Testes toxicológicos para aferição de substâncias psicoativas emcondutores. 121p. 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v7i3.190

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.