Prevalência de acidentes de trânsito com vítimas fatais associadas à alcoolemia positiva do condutor: um estudo na Serra Gaúcha

Letícia Beal, C. A. Paludo, R. M. Chultz

Resumo


Os acidentes de trânsito são considerados um problema de saúde pública em muitos países, em especial no Brasil. Pode-se ressaltar o consumo de bebidas alcoólicas como uma das principais razões pelas quais ocorre grande parte dos acidentes com vítimas, muitas delas fatais. O presente estudo visa estabelecer relação entre acidentes automobilísticos com vítimas fatais e a alcoolemia na microrregião de Bento Gonçalves (Região de Serra Gaúcha), entre janeiro de 2003 e dezembro de 2015. Foram verificados 481 registros de óbitos durante o período analisado, sendo 411 do sexo masculino e 70 do sexo feminino, totalizando um percentual de 85,4% e 14,6% respectivamente. O resultado dos exames toxicológicos apontou também que 223 (46,4%) dos periciados não estavam sob o efeito de álcool e 183 (38%) estavam sob o efeito de álcool. Desta forma a análise estatística dos dados demonstra uma diferença altamente significativa, sendo o álcool uma variável fundamental no resultado, se em caso de acidente o motorista terá ou não óbito. Estando sob a influência de bebidas alcoólicas, a probabilidade de sofrer um acidente fatal é muito alta.

Palavras-chave


Acidentes de trânsito, alcoolemia positiva, Serra Gaúcha.

Texto completo:

PDF

Referências


Organización Mundial de la Salud - OMS. Informe mundial sobre prevención de los traumatismos causados por el trânsito. Ginebra (SW): OMS; 2004.

Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Disponível em . Acessado em 03 mai. 2017.

Portal da Saúde. Disponível em . Acesso em: 02 abr. 2016.

Senado Brasileiro. Disponível em Acessado em 01 abr. 2017.

World Health Organization (WHO). Global status report on road safety 2015. Genebra: WHO; 2015.

Brasil. Lei nº 11.705, de 19 de junho de 2008. Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que ‘institui o Código de Trânsito Brasileiro’. Disponível em ˂ http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11705.htm ˃. Acessado em 01 abr. 2016. [7] Report On Road Safety In The Region Of The Americas. Washington, Dc: OPAS, 2015.

A. Fey, L.F Furlani, I.C. Becker, O.H.M. Saucedo, L.C.V. Bahten, et al. Alcoolemia em vítimas fatais de acidente de trânsito no Alto Vale do Itajaí. Santa Catarina. Revista de Arquivos Catarinenses de Medicina 40(2), 25-29, 2011.

L.F.R.S. Paulin. Conceito, etiologia e diagnóstico do alcoolismo: uma revisão. Campinas: Revista de Ciências Médicas 3(1), 5-8, 1994.

M, Passagli. Toxicologia forense. Teoria e prática. 4ª Edição, Campinas, Millennium Editora, 2013.

N.V.B.M. Costa. Prevalência do consumo de drogas de abuso nos casos mortais autopsiados na delegação do centro do instituto nacional de medicina legal e no gabinete médico-legal da figueira da foz entre 1990 E 2007. Coimbra, 2010.

A.A. Filho, D. Campolina, M.B. Dias. Toxicologia na prática clínica. Belo Horizonte, Folium Editorial 2, 59-61, 2013.

R. Laranjeiras, M. Romano. Consenso brasileiro sobre políticas públicas do álcool. São Paulo. Revista Brasileira de Psiquiatria 26(1), 68-77, 2004.

G.L. Soares, P.M. Silva. A “Lei Seca” – 11.705/2008 – e seus reflexos na educação, saúde e qualidade de vida da população na comarca de Brusque – SC. Brusque, 2011.

G. Bacchieri, A.J.D. Barros. Acidentes de trânsito no Brasil de 1998 a 2010: muitas mudanças e poucos resultados. Pelotas: Revista Saúde Pública 45(5), 949-963, 2011.

G.M. Farias, K.M.M. Rocha, M.C.S. Freitas, I.K.F. Costa, R.A.N. Dantas, et al. Acidentes de trânsito decorrentes da influência do uso do álcool. 2. Ed. Natal: Revista Científica Interacional, 2009.

C.M.C Paula, M.A.M Ruzzene, B.S. Martins. Alcoolemia e mortes de causas violentas. Ribeirão Preto: Revista Sistema Integrado de Bibliotecas de São Paulo, 41(1), 24-29, 2008.

G.N. Damacena, Malta, DC; Boccolini, CS; Júnior, PRBS; Almeida, WS; Ribeiro, LS; Szwarcwald, CL et al.. Alcohol abuse and involvement in traffic acidentes in the Brazilian population, 2013. Rio de Janeiro: Ciência e Saúde Coletiva. 21(12), 3777-3786, 2016.

Portal da Saude. Disponível em Acessado em 16 jun. 2017.

Detran Rs. Disponível em < http://www.detran.rs.gov.br/conteudo/27452/perfil-dos-condutores-do-rs> Acessado em 17 jun. 2017.

M.D.M Mascarenhas, R.M.C.V. Souto, D.C. Malta, M.M.A. Silva, C.M. Lima, M.M.S Montenegro, et al. Características de motociclistas envolvidos em acidentes de transporte atendidos em serviços públicos de urgência e emergência. Rio de Janeiro: Ciência e Saúde Coletiva 21(12), 3661-3671, 2016.

S.D. Schoeller, A. Bonetti, G.A. Silva, A. Rocha, F.L. Gelbcke, P. Khan, et al. Características das vítimas de acidentes motociclisticos atendidas em um centro de reabilitação de referência estadual do sul do Brasil. Rio de Janeiro: Revista Acta Fisiátrica 18(3), 141-145, 18(3).

L.C.D Gomes, A.T. Stein, A.V. Bigolin, L.G.S Lenzi, R.S. Vitor, et al. Prevalência de alcoolemia em óbitos por acidente de transporte e por outras causas externas. Porto Alegre: Revista Associação Médica do Rio Grande do Sul 54(3), 273-277, 2010.

R.A.V. Pedrouzo. Causas de los accidentes de tránsito desde una visión de la medicina social. El binomio alcohol-tránsito. Uruguai, Revista Médica del Uruguay 20, 178-186, 2004.

C.R.F. Biffe, A. Harada, A.B. Bacco, C.S. Coelho, J.L.F. Baccarelli, K.L. Silva, L.A.D. Braccialli, M. BelonI, M.L.G. Bernardes, S.R. Lacerda, T.I. Silva, et al. Perfil epidemiológico dos acidentes de trânsito em Marília São Paulo, 2012. Brasília: Revista de Epidemiologia e Serviços da Saúde 26(2), 389-398, 2017.

Y.G.L. Bastos, S.M. Andrade, D.A. Soares. Características dos acidentes de trânsito e das vítimas atendidas em serviço pré-hospitalar em cidade do Sul do Brasil, 1997/2000. Rio de Janeiro: Caderno Saúde Pública 21(3), 815-822, 2005.

M.A.S. Barros, B.M.A.S.M. Furtado, C.V. Bonfim. Características clínicas e epidemiológicas de motociclistas com traumacrânio-encefálico atendidos em hospital de referência. Rio de Janeiro: Revista de Enfermagem UERJ 23(4), 540-547, 2015.

M.O.R Santos. Perfil epidemiológico dos acidentes de trânsito na cidade de Aracaju/SE. Florianópolis, 2014.

Lucas – Neto, A; Barbosa, KGN; Bernardino, IM; Lucas, RSCC; D’avila, S et al. Ground transportation acidentes involving two categories of motorcyclists who transport passengers. Porto Alegre: Revista Gaúcha de Odontologia 64(3), 299-306, 2016.

A.M.M. ABREU. Mortalidade no acidentes de trânsito na cidade do Rio de Janeiro relacionada ao uso e abuso de bebidas alcóolicas. Rio de Janeiro, 2006.

C.S. RAMOS. Caracterização do acidente de trânsito e gravidade do trauma: um estudo em vítimas de um hospital de urgência em Natal/RN. Natal, 2008.

S. Duailibi, I. Pinsky, R. Laranjeiras. Prevalence of drinking and driving in a city of Southeastern Brazil. São Paulo, Revista Saúde Pública 41(6), 1-3, 2007.

A.M.M. Abreu, J.M.B. Lima, R.H. Griep. Acidentes de trânsito e frequência dos exames de alcoolemia com vítimas fatais na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revista de Enfermagem 13(1), 44-50, 2009.

L.M.M.M Paixão, E.D. Gontijo, E.F. Drumond, A.A.L. Friche, W.T. Caiaffa, et al. Traffic accidents in Belo Horizonte: the view from three diferente sources, 2008 to 2010. Rio de Janeiro: Revista Brasileira de Epidemiologia 18(1), 108-122, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v7i3.222

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.