Valoração de danos indiretos em perícias ambientais

Rodrigo Studart Corrêa, Álvaro Nogueira de Souza

Resumo


A Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/1998) remeteu à esfera penal infrações ao meio ambiente e a realização de perícias é, portanto, condição indispensável para a materialização do crime. A precificação do dano ambiental é exigida em laudos periciais e o uso de modelos de valoração tornou-se frequente. O método do custo de restauração é geralmente usado na avaliação de danos ambientais. Porém, a sua utilização como método único negligencia as funções ambientais perdidas pelo ecossistema e torna o dano lucrativo para o infrator. O exame pericial deve considerar também os danos indiretos, cuja mensuração econômica é matéria controversa. Nesse sentido, há recomendações de aplicação de taxas de juros como forma de compensar os danos indiretos e as perdas ecossistêmicas provisórias em locais degradados. A aplicação dessas taxas, porém, deve resguardar uma relação de proporcionalidade e coerência com os padrões de recuperação ambiental, devido aos princípios da razoabilidade e proporcionalidade. Nesse sentido, taxas simples e compostas de juros mostraram-se discrepantes com a função descrita por sistemas biológicos e ecológicos em fase de recuperação. A aplicação de juros compostos decrescentes mostrou-se proporcional aos padrões de recuperação de funções ecossistêmicas e pode ser utilizada para a valoração de danos indiretos em perícias ambientais. 


Palavras-chave


Valoração; Dano Ambiental; Perdas Ecossistêmicas Provisórias

Texto completo:

PDF

Referências


R. Almeida. Perícia em local de extração mineral. Mineração e áreas degradadas no Cerrado, Universa Brasília (2004) 105-122.

G. Kaskantzis Neto. Modelos para valoração econômica do dano ambiental. Retirado em 16/11/2008, de http://geo-kas.blogspot.com.

A. Lazzarini. (org.). Coletânea de legislação ambiental. Rev. Tribunais (2008).

J. A. Mota. O valor da natureza: economia e política dos recursos naturais, Garamond, Brasília (2001).

R. B. Primack; E. Rodrigues. Biologia da conservação, P & R, Londrina (2002).

M. Anand; R. Desrochers. Quantification of restoration success using complex systems concepts and models. Restoration Ecology 12: 117-123 (2004). [CrossRef] http://dx.doi.org/10.1111/j.1061-2971.2004.00281.x

R. S. Corrêa. Recuperação de áreas degradadas pela mineração no Cerrado: manual para revegetação, Universa, Brasília (2009).

H. P. Jones; O. J. Schmitz. Rapid Recovery of Damaged Ecosystems. Rapid Ecosystem Recovery 4: 1-6 (2009).

L. O. L. Pereira. Métodos de avaliação de benefícios indiretos de florestas: uma revisão. Anais do Congresso Florestal Brasileiro. 23-29 (1990).

R. Almeida. Identificação e valoração dos danos causados ao meio ambiente. Anais do IV Comitê Nacional em Perícias em Crime Contra o Meio Ambiente. 177 (2008).

Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT Avaliação de bens. Parte 6: Recursos naturais e ambientais. NBR 14653-6:2008 (2009).

J. M. Nogueira; A. A. Medeiros; F. S. T. Arruda. Valoração Econômica do meio Ambiente: Ciência ou Empiricismo? Cadernos de Ciência & Tecnologia 17: 81-115 (2000).

J. M Nogueira; A. A. Medeiros. Quanto vale aquilo que não tem valor? Valor de existência, economia e meio ambiente. Brasília: Cadernos de Ciência & Tecnologia 16: 59-83 (1999).

J. F. Marques; A. Comune. Quanto vale o ambiente: interpretações sobre o valor econômico ambiental. Anais do Encontro Nacional de Economia. 633-651 (1995).

J. M. Nogueira. Curso valoração econômica e compensação ambiental: conflitos e complementaridades. Centro integrado de Ordenamento Territorial - CIORD, Universidade de Brasília. Brasília (2010).

C. A. Arantes. Perícia ambiental: aspectos técnicos e legais, Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo (2009).

P. H. May; F. C. Veiga Neto; O. V. C. Pozo. Valoração econômica da biodiversidade: estudos de caso no Brasil. Projeto Estratégia Nacional de Biodiversidade - BRA97G31- MMA/GEF/PNUD. Brasília (2000).

K. E Kohler; R. E Dodge. Visual-HEA: Habitat Equivalency Analysis software to calculate compensatory restoration following natural resource injury. Anais do 10th International Coral Reef Symposium. 1611-1616 (2006).

R. Almeida. Avaliação de danos causados ao meio ambiente. In: TORCCHETO, D. (org.). Perícia ambiental criminal, Millenium, Campinas (2010) 211-230.

A. Tonietto; R. Almeida; J. Silva. Valoração de danos nos casos de mineração de ferro no Brasil. Anais do VI Seminário Nacional de Perícias em Crimes contra o Meio Ambiente e II Seminário Nacional de Engenharia Forense. 17 (2010).

L. E. C. Dorea; V. P. Stumvoll; V. Quintela. Tratado de perícias criminalísticas: criminalística, Millennium, Campinas (2003).

R. H. Hilderbrand; A. C. Watts; A. M. Randle. The myths of restoration ecology. Ecology & Society 10: 19-29 (2005).

L. Beltrão. Valoração de danos ao meio ambiente. Parecer Técnico 48/2005 – DPD/DPE/SMA. Seção de Perícias do Meio Ambiente. Ministério Público do Distrito Federal E Territórios. Brasília (2005).

J. L. P. Rezende; A. D. Oliveira. Análise econômica e social de projetos florestais. UFV. Viçosa (2008).




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v2i1.23

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.