Perfil de drogas de abuso apreendidas e admitidas no Instituto de Polícia Científica entre os meses de janeiro a novembro de 2017

G. R. Silva, R. A. R. Costa, P. Q. Lopes, J. R. O. Ferreira, A. F. Santos Júnior, Hemerson Iury F. Magalhães

Resumo


O uso de drogas de abuso vem tomando proporções cada vez maiores na sociedade. A cada ano é notável o surgimento de novas substâncias com capacidade de provocar dependência física ou psicológica. O Instituto de Polícia Científica da Paraíba é um órgão pertencente à Polícia Civil do Estado que possui um setor responsável pela análise de drogas apreendidas. Neste contexto, o presente estudo teve como objetivo criar um perfil de drogas de abuso admitidas no IPC-JP entre os meses de janeiro a novembro de 2017. A coleta de dados se deu através da análise de 1851 laudos referentes às admissões de drogas de abuso, onde foram extraídas as informações necessárias à pesquisa. Foi possível traçar um panorama contendo informações a respeito da incidência de drogas, dos seus métodos de análises, do trabalho da polícia e da ação do Instituto, demonstrando através dos dados a situação atual e as perspectivas de avanço nas políticas de prevenção ao uso de drogas. Os resultados apontam a maconha como à droga mais apreendida, seguida pela cocaína. As apreensões de cocaína em forma de pedra representam quase que o dobro do número de apreensões da forma em pó. Em 87% das análises o esquema analítico seguia as recomendações do SWGDRUG.  Os resultados apresentados se destinam a coadjuvar com programas e ações destinados a prevenção e combate a utilização e tráfico de drogas.


Palavras-chave


Drogas de abuso; Maconha; Cocaína; Métodos de detecção de drogas; Toxicologia forense.

Texto completo:

PDF

Referências


A.C. Abrams. Farmacoterapia Clínica. 7ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

H.P. Rang. Farmacologia. Elsevier. 5ª Edição. Rio de Janeiro, 2004.

E.M. Pratta, M.A. Santos. Reflexões sobre as relações entre drogadição, adolescência e família: um estudo bibliográfico. Revista Estudos de Psicologia. 11(3), 315-322, 2006.

L.M. Raup, R.C.F. Adorno. Jovens em situação de rua e usos de crack: um estudo etnográfico em duas cidades. Revista Brasileira de Adolescência e Conflitualidade. 4, 52-67, 2011.

E.A. Carlini. et al. Livreto informativo sobre drogas psicotrópicas. 7ª ed. Brasília (DF): Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2011.

S. Nicastri. Drogas: Classificação e efeitos no organismo. Adaptado do Curso de Prevenção do Uso de Drogas para Educadores de Escolas Públicas, Senad, 2006.

A. Diehl et al. Abuso e Dependência de Inalantes.

Associação Brasileira de Psiquiatria, 2012.

D.C. Bordin et al. Análise Forense: Pesquisa de drogas vegetais interferentes de testes colorimétricos para identificação dos canabinoides da maconha (Cannabis sativa L.). Revista Química Nova. 35(10), 2040-2043, 2012.

M.J.F. Gomes. Desenvolvimento de métodos espectroanalíticos aplicados à química forense e alimentos. Tese de doutorado - Programa de Pós-Graduação em Química, 2010.

L.F.M. Oliveira, S.C. Wagner. A cocaína e sua adulteração. Revinter - Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade. 6(1), 15-28, 2013.

M.I.S.S.T. Pimentel. MDMA e seus metabolitos: efeito vascular e toxicidade. Dissertação de mestrado - Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, 2014.

M. Bhatt et al. Efficacy and safety of psychostimulants for amphetamine and methamphetamine use disorders: a systematic review and metaanalysis. Systematic Reviews. 5, 2016.

S. Codeau et al. LSD instead of 25I-NBOMe: The revival of LSD? A case report. Toxicologie Analytique et Clinique. 29(1), 139-143, 2017.

S. Bodeau et al. LSD instead of 25I-NBOMe: The revival of LSD? A case report. Toxicologie Analytique et Clinique. 29(1), 139-143, 2017.

M.M. Gomes. Dietilamida do ácido lisérgico (LSD) e N,N-dimetiltriptamina (DMT) como substratos de peroxidases: uma possível rota de metabolização. Dissertação de mestrado - Universidade de São Paulo, 2008.

C.C. Costa. Drogas na adolescência como abordar nas escolas, o uso de drogas pelos adolescentes. Trabalho de especialização - Universidade Cândido Mendes, 2004.

F.V.B. Costa. A legalização do uso de entorpecentes face à Lei n° 11.343/06. THEMIS - Revista da Escola Superior da Magistratura do Estado do Ceará, 2016. [17] S.F. Lapachinske, M. Yonamine, R.L.M. Moreau. Validação de método para determinação de 3,4-metilenodioximetanfetamina (MDMA) em comprimidos de ecstasy por cromatografia em fase gasosa. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. 40(1), 2004.

M. Nasario, M.M. Silva. O consumo excessivo de medicamentos psicotrópicos na atualidade. Artigo científico - Pós-Graduação de Saúde Mental e Atenção Psicossocial no Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, 2014.

E.S.C. Silva. A autonomia funcional, técnica e científica dos peritos oficiais de natureza criminal após o advento da Lei nº 12.030/2009. Novembro, 2009. Disponível em: Acesso em: 03 de janeiro de 2018.

L.R.P. Sousa. A Química Forense na detecção de drogas de abuso. Dissertação de mestrado - Universidade Católica de Goiás/IFAR. Janeiro, 2012.

L. Mota, P.B. di Vitta. Química forense: utilizando métodos analíticos em favor do poder judiciário. Dissertação de mestrado - Centro de Pós Graduação Oswaldo Cruz, 2013.

K.N. Costa, R.A.P. Cruz, Y.O. Franco. A contribuição da toxicologia analítica na aplicação da toxicologia forense: exemplos da cocaína e do álcool etílico. Revista de Estudos Universitários. 36(2), 2010.

S. Dowling.. Gas Chromatography. In: MOFFAT, AC; OSSELTON, DM; WIDDOP, B. Clarke’s Analysis of drugs and poisons. Pharmaceutical Press. Cap. 40, págs. 636-717, 2011.

T.D. Freijo Junior, S.E. Harris, S.V. Kala. A Rapid Quantitative Method for the Analysis of Synthetic Cannabinoids by Liquid Chromatography–Tandem Mass Spectrometry. Journal of Analytical Toxicology. 38, 466-478, 2014.

J.A. Crippa. et al.. Efeitos cerebrais da maconha – resultados dos estudos de neuroimagem. Revista Brasileira de Psiquiatria. 27(1), 70-78, 2005. [26] S. Nicastri. Drogas: Classificação e efeitos no organismo. Adaptado do Curso de Prevenção do Uso de Drogas para Educadores de Escolas Públicas, Senad, 2006.

A. Luna-Fabritius. Modernidad y drogas desde una perspectiva histórica. Revista Mexicana de Ciências Política e Social. 60(225), 2015.

L.T.S. Massaro et al. Uso estimulante de tipo anfetamina e caminhos condicionais de consumo: dados da Segunda Pesquisa Nacional Brasileira de Álcool e Drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria. 39(3), 2017.

D. Tockus, P.S. Gonçalves. Detecção do uso de drogas de abuso por estudantes de medicina de uma universidade privada. Jornal brasileiro de psiquiatria. 57(3), 2008.

S.V. Mendes et al. Estudo sobre o uso de drogas estimulantes entre estudantes de medicina. Ciência Atual–Revista Científica Multidisciplinar das Faculdades São José. 5(1), 2015.

J.A.V. Prior, D.S.M. Ribeiro, J.L.M. Santos. Controlo químico de bebidas adulteradas em crimes facilitados com drogas. Revista Acta Farmacêutica Portuguesa. 2(2), 121-134, 2013.

C.A.C. Xavier et al. Êxtase (MDMA): efeitos farmacológicos e tóxicos, mecanismo de ação e abordagem clínica. Revista de Psiquiatria Clínica. 35(3), 2008.

N.C.L. Botti, A.F.D. Lima, W.M.B. Simões. Uso de substâncias psicoativas entre acadêmicos de enfermagem da Universidade Católica de Minas Gerais. Revista Eletrônica Saúde Mental, Álcool e Drogas. 6(1), 2010.

CEBRID – Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. Secretaria Nacional Antidrogas. Livreto Informativo sobre: Drogas Psicotrópicas. São Paulo, 2012.

Y.H.N. Fagundes. Drogas na sociedade. Boletim Informativo Criminológico. 1(1), 93-103, 2013.

L. Kracmarova. et al. Tobacco, alcohol and illegal substances: experiences and attitudes among Italian university students. Revista da Associação Médica Brasileira. 57(5), 2011.

C. Marcon et al. Uso de anfetaminas e substâncias relacionadas na sociedade contemporânea. Disciplinarum Scientia. 13(2), 247-263, 2012.

R.C. Moreno, M.F. Cristofoletti, I.C. Pasqua. Turnos irregulares de trabalho e sua influência nos hábitos alimentares e de sono: o caso dos motoristas de caminhão. Revista Abramet. 36, 17-24, 2001.

A.S.M. Machado. Novas drogas sintéticas e as smart-shops : realidade nacional no contexto internacional. Dissertação de mestrado - Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, 2014.

C.A.Y. Wayhs. et al. NBOMe: perfil de apreensões da Polícia Federal no Brasil. Revista Brasileira de Criminalística. 5(3), 22-29, 2016.

M. Raymundo et al. Triexifenidila: caracterização de seu consumo abusivo por um grupo de usuários na cidade de São Paulo. Revista Psiquiatria Clínica. 30(6), 2003.

A.B. Júnior, J.F. Schneider. Dependência do crack: repercussões para o usuário e sua família. Revista Saúde e Desenvolvimento. 1(2), 2012.

UNODOC. United Nations Office on Drugs and Crime. Recommended methods for the Identification and Analysis of Cocaine in Seized Materials. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v7i3.265

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.