A formação do pensamento criminológico crítico materialista: da reação social à criminalização social

José Carlos Cunha Muniz Filho, Larissa Teixeira Oliveira

Resumo


O presente artigo possui como problemática a investigação da formação do pensamento criminológico crítico materialista e seus institutos, partindo do surgimento da teoria do labelling approach, teoria do etiquetamento, até o desenvolvimento das formulações estruturais e políticas das concepções de delito penal. Durante o desenvolvimento serão trabalhadas as fases da reação social, bem como a sua densificação realizada pela criminologia crítica ao questionar os mecanismos de poder envolvidos na definição de crime e as questões primordiais que tangem esse aprofundamento político. Ainda, serão apresentados apontamentos e considerações dessas teorias no âmbito da política penal contemporânea. Por fim, irão ser estudadas as construções elaboradas pela criminologia materialista, visando expor não só as críticas realizadas ao sistema penal vigente, como também apontamentos para um novo enfrentamento e classificação das condutas socialmente danosas. 


Palavras-chave


Pensamento Criminológico; Labelling Approach; Criminologia Crítica Materialista; Estado Punitivo

Texto completo:

PDF

Referências


A. Baratta. Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução a sociologia do Direito Penal. (Trad. Juarez Cirino dos Santos). 3ª ed. 2002.

E. U. Zaffaroni. Em busca das penas perdidas: a perda de legitimidade do sistema penal. (Tradução de V. R. Pedrosa e A. L. Conceição). 1991.

V. R. P. Andrade. Sistema Penal Máximo x Cidadania Mínima: códigos da violência na era da globalização. 1 ed. 2003.

A. G. B. Molina; L. F. Gomes. Criminologia: introdução a seus fundamentos teóricos. 2002.

G. R. Sá. A prisão dos excluídos: Origens e reflexões sobre a pena privativa de liberdade. 1996.

O. Kirchheimer; G. Rusche. Punição e estrutura social. p.18, 1999.

M. Foucault. Surveiller et Punir: Naissance de la prison. Yuji. 2004.

J. C. Santos. 30 anos de Vigiar e punir. p. 5. 2011.

K. Marx. Crítica do Programa de Gotha. In Marx/Engels. Obras escolhidas, v.2. 1961.

J. R. P. Veronese. O sistema prisional: seus conflitos e paradoxos. 2011.

L. Wacquant. As prisões da Miséria. 2001.

A. Baratta. Criminologia y dogmática penal: passado y futuro Del modelo integral del derecho penal. Vol VIII. pp. 28-63. 1982.

Z. Bauman. O mal-estar da pós-modernidade. 1998.

Z. Bauman. Globalização: as consequências humanas. 1999.

Z. Bauman. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. 141pp. 2003.

M. Foucault. Vigiar e Punir: o nascimento da prisão. 1977.

D. Garland. As contradições da “sociedade punitiva”: o caso britânico. p. 59-80, 1999.

D. Garland. A cultura do controle: crime e ordem social na sociedade contemporânea. p. 440. 2008.

W. Hassemer; F. M. Conde. Introduccíon a la criminologia y al derecho penal. 1981.

W. Hassemer. Derecho penal Simbólico y proteccion de bienes jurídicos. 1995.

C. S. Nino Fundamentos Del derecho penal. (Tradução por Francisco Muñoz Conde e Luis Arroyo Zapatero). 1984.

H. K. Marx; F. Engels. Obras Escolhidas. Tomo I; III. Lisboa. 1982; 1985.

F. A. Oliveira. Manual de Criminologia. 1992.

R. D. Pastana. Cultura do medo: reflexões sobre violência, controle social e cidadania no Brasil. 2003.

D. R. Pastana. Justiça Penal no Brasil atual: discurso democrático, prática autoritária. 2010.

J. C. Santos. Direito Penal: Parte Geral. pp. 435 a 453. 2010.

L. Wacquant. A aberração carcerária. In Le Monde Diplomatique Brasil. 2004.

L. Wacquant. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos EUA. 2001b.

E. R. Zaffaroni; A. S. Alagia. Derecho Penal: parte general. p. 7. 2002.

J. F. Mirabete. Manual de Direito Penal Brasileiro. V.2. 5ª ed. 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v3i1.58

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.