Escrita Escolar Brasileira: a escrita vertical

Carlos André Xavier Villela

Resumo


O exame grafoscópico visa essencialmente a determinar se duas escritas partiram ou não de um mesmo punho. A fim de buscar dados empíricos capazes de melhor embasar uma valoração de raridade, diversos pesquisadores se dedicaram ao estudo dos sistemas de escrita. O presente trabalho analisa algumas bibliografias nacionais e estrangeiras que descrevem como se deu o alvorecer da escrita vertical e sua implantação no universo escolar brasileiro. Foi a partir das últimas décadas do século XIX que alógrafos cursivos verticais começaram a ser utilizados para o ensino da escrita. Os novos sistemas, sob a denominação escrita vertical, tiveram presença marcante em todo o mundo ocidental, sendo até hoje os sistemas predominantes em diversos países.

Palavras-chave


Documentoscopia Forense; Grafoscopia Forense; Sistemas de Escrita; Escrita Vertical; Cartilhas.

Texto completo:

PDF

Referências


E. BLUMENTHAL. Schulschriften der verschiedenen Länder, Verlag Hans Huber, Suíça (1957).

H.W. MOON. A survey of handwriting styles by geographic location. Journal of Forensic Science 22: 827-834 (1977).

E.M. SCHUETZNER. Class characteristics of hand printing. Journal of the American Society of Questioned Document Examiners: 5-33 (1999).

A.W. ELLIS. Slips of the pen, Visible Language, EUA (1979).

R. HUBER; A.M. HEADRICK. Handwriting identification: fact and fundamentals. CRC Press LCC, EUA (1999) 27.

C.A.X. VILLELA. Escrita escolar brasileira: a escrita inglesa. Revista Língua Escrita (UFMG) 7: 6-27 (2009).

J. JACKSON. The theory and practice of handwriting: a practical manual for the guidance of school boards, teachers, and students of the art with diagrams and illustrations, William Beverley Harison, EUA (1894).

A. REUSS. Über die Steilschrift. Palestra proferida em 18 de janeiro de 1899. Retirado em 12/10/2014, de: www.landesmuseum.at/pdf_frei_remote/SVVNWK_39_0193-0223.pdf

V. BROUET. Ecriture. In: F. BUISSON (org.). Nouveau dictionnaire de pédagogie et d’instruction primaire, Librairie Hachette, França (1911).

L.M. FARIA FILHO. Cultura e prática escolares: escrita, aluno e corporeidade. Cad. Pesqui. 103: 136-149 (1998).

E. CLAYTON. A history of learning to write. In: T. WILCOX; E. CLAYTON (orgs.). Handwriting: everyone’s art, The Edward Johnston Foundation, Inglaterra (1999) 14.

J.V. WITHERBEE. An argument for vertical handwriting. Popular Science Monthly XLIV: 86-93 (1894).

THE NEW YORK TIMES. The new vertical writing, artigo de 11 de março 1894. Retirado em 12/10/2014, de: http://query.nytimes.com/mem/archive-free/pdf?res=F60714FE3D5415738DDDA80994DB405B8485F0D3

W. HENNING. An elegant hand: the golden age of american penmanship & calligraphy, Oak Knoll Press, EUA (2002) 301-302.

D.G. VIDAL; S. GVIRTZ. O ensino da escrita e a conformação da modernidade escolar: Brasil e Argentina, 1880-1940. Rev. Bras. Educ. 8: 13-30 (1998).

S.A. MARTÍNEZ; M.A.A.P. BOYNARD. Uso da imprensa periódica como estratégia de divulgação e reivindicação de novas práticas de escrita no Estado do Rio de Janeiro: Campos, 1914-1915. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos, (2005).

H. DONATO. 100 anos de Melhoramentos: 1890-1990, Editora Melhoramentos, Brasil (1990).

D.G VIDAL. Da caligrafia à escrita: experiências escolanovistas com caligrafia muscular nos anos 30. Rev. Fac. Educ. 24: 126-140 (1998).

M.R.M. MAGNANI. Os sentidos da alfabetização: a “questão dos métodos” e a constituição de um objeto de estudo. Tese de Livre-Docência, Universidade Estadual Paulista, Campus de Presidente Prudente (1997).

M.N. FERNANDES. Saberes em foco: diálogos de M. B. Lourenço Filho na Série de Leitura Graduada Pedrinho (1953-1970). Tese de Mestrado, Centro de Ciências Humanas e da Educação, Universidade do Estado de Santa Catarina (2011).




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v3i2.77

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.