Determinação do sexo pelo crânio: etapa fundamental para a identificação humana

Roberto Cesar Biancalana, Adrielly Garcia Ortiz, Laís Gomes de Araujo, Marisa Semprini, Ricardo Henrique Alves da Silva, Rodrigo Galo

Resumo


A Odontologia Legal é uma ciência capaz de auxiliar a busca pela identidade de um indivíduo, podendo contribuir para o estabelecimento do perfil antropológico a partir da análise do crânio, permitindo assim, que características como o sexo, seja passível de determinação. O objetivo deste trabalho foi verificar a compatibilidade de resultados na determinação do sexo, entre a análise cranioscópica (qualitativa) e a análise craniométrica (quantitativa) pelo Índice de Baudoin. Foram utilizados 100 crânios humanos de um Museu de Anatomia, sem o conhecimento prévio do sexo. O sexo foi classificado, primeiramente, pelas características qualitativas e, em seguida, de acordo com o Índice de Baudoin, por meio de mensurações realizadas nos côndilos occipitais, esquerdo e direito, de cada crânio. Tais medidas foram aferidas com o uso de um paquímetro digital, individualmente, por um único examinador. Pelos resultados obtidos, conclui-se que o Índice de Baudoin não foi compatível, estatisticamente, com o exame qualitativo. Ainda foi possível verificar que existe correlação entre os resultados obtidos nos côndilos occipitais de ambos os lados de um mesmo crânio, independentemente de qual seja o sexo determinado. A taxa de concordância entre os métodos foi baixa para a amostra examinada, razão pela qual se sugere que o Índice de Baudoin não é método de escolha ideal a ser utilizado, para determinação de sexo, no cotidiano da prática forense. 


Palavras-chave


Odontologia Legal, Antropologia Forense, Identificação, Sexo.

Texto completo:

PDF

Referências


S. Blau, C.A. Briggs. The role of forensic anthropology in Disaster Victim Identification (DVI). Forensic Sci. Int. 205(1), 29-35, 2011.

J. Gruber, M.M. Kameyama. O papel da Radiologia em Odontologia Legal. Pesqui. Odontol. Bras. 15(3), 263-268, 2001.

G.V. França. Medicina Legal. 9 ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, Brasil, 694, 2011.

M.Y. Ìşcan. Forensic anthropology of sex and body size. Forensic Sci. Int. 147(2), 107-112, 2005.

G.O. Arbenz. Medicina Legal e Antropologia Forense. Atheneu, São Paulo, Brasil, 1988.

E.A.A. Bittencourt, D. Koshikene, D.T. de Freitas Junior, L.K.H. da Cunha, M. dos Santos Neves, A.C. Pacheco, M.M.I. Pereira, O.T. Netto. Disaster carbonized victims identification in State of Rondonia, Brazil. Forensic Sci. Int. Genetic Suppl. 2(1), 248-249, 2009.

V. Saini, R. Srivastava, R.K. Rai, S.N. Shamal, T.B. Singh, S.K. Tripathi. Mandibular Ramus: An Indicator for Sex in Fragmentary Mandible. J. Forensic Sci. 56(s1), S13-S6, 2011.

S.M. Bakkannavar, F.N. Monteiro, M. Arun, G.P. Kumar. Mesiodistal width of canines: a tool for sex determination. Med. Sci. Law. 52(1), 22-26, 2012.

K.S. Hu, K.S. Koh, S.H. Han, K.J. Shin, H.J. Kim. Sex Determination Using Nonmetric Characteristics of the Mandible in Koreans. J. Forensic Sci. 51(6), 1376-1382, 2006.

J.W. Berketa, H. James, A.W. Lake. Forensic odontology involvement in disaster victim identification. Forensic Sci. Med. Pathol. 8(2), 148-156, 2012.

A. Kemkes, T. Göbel. Metric assessment of the “mastoid triangle” for sex determination: a validation study. J. Forensic Sci. 51(5), 985-989, 2006.

W.J.B. Houston. The analysis of errors in orthodontic measurements. Am. J. Orthod. 83(5), 382-390, 1983.

J.P. Vanrell. Odontologia Legal & Antropologia Forense. 2 ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, Brasil, 273, 2009.

R.A. Gonzalez. Determination of Sex from Juvenile Crania by Means of Discriminant Function Analysis. J. Forensic Sci. 57(1), 24-34, 2012.

H.M. Garvin, C.B. Ruff. Sexual dimorphism in skeletal browridge and chin morphologies determined using a new quantitative method. Am. J. Phys. Anthropol. 147(4), 661-670, 2012.

J.T. Hefner. Cranial Nonmetric Variation and Estimating Ancestry. J. Forensic Sci. 54(5), 985-995, 2009.

M.L. Tise, M.K. Spradley, B.E. Anderson. Postcranial sex estimation of individuals considered Hispanic. J. Forensic Sci. 58(s1), S9-S14, 2013.

L.C.C. Galvão. Identificação do sexo através de medidas cranianas. Piracicaba, 1994. Dissertação de Mestrado, Departamento de Odontologia, Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Universidade Estadual de Campinas, 1994.

G.I. Suazo, O.M.D. Zavando, P. Russo, R.L. Smith. Evaluation of the Baudoin condylar index diagnostic test for sex determination. Int. J. Morphol. 28(1), 171-174, 2010.

S.R. Machado, M.R. Marques, L.M. Cardoso, S.B. Souza, L.C.C. Galvão, J.A.M. Marques. Verificação da aplicabilidade do Índice de "Baudoin" para determinação do sexo. Revista de Medicina Legal, Direito Médico e da Saúde 1(3), 36-38, 2005.

O.F. de Oliviera, R.L.R. Tinoco, E. Daruge Júnior, L.G. de Araujo, R.H.A. Silva, L.R. Paranhos. Determinación del Sexo desde Mediciones del Cóndilo Occipital Mediante el Índice de Baudoin con Propósitos Forenses. Int. J. Morphol. 31(4), 297-1300, 2013.

R.L. Anemone. Race and Human Diversity: A Biocultural approach. 1 ed. Prentice Hall, Upper Saddle River, USA, 193, 2011.

A. Strauss e M.Hubbe. Craniometric similarities within and between human populations in comparison with neutral genetic data. Hum. Biol. 82(3), 315-330, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v4i3.98

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.